Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
Voltar \ Empréstimos para a compra de casa atingem nível mais alto desde 2010

Empréstimos para a compra de casa atingem nível mais alto desde 2010

09 nov 2016
Empréstimos para a compra de casa atingem nível mais alto desde 2010
Geral, Imobiliário, Grupo PRUMMO
Os dados oficiais do Banco de Portugal confirmam a expressão que corre pelas bocas do setor imobiliário em Portugal nos últimos tempos: a banca voltou mesmo a abrir a torneira do crédito à habitação. Nos nove primeiros meses deste ano, os bancos concederam mais de quatro mil milhões de euros em novo crédito à habitação e este é o nível mais elevado dos últimos seis anos.

Os dados oficiais do Banco de Portugal confirmam a expressão que corre pelas bocas do setor imobiliário em Portugal nos últimos tempos: a banca voltou mesmo a abrir a torneira do crédito à habitação. Nos nove primeiros meses deste ano, os bancos concederam mais de quatro mil milhões de euros em novo crédito à habitação e este é o nível mais elevado dos últimos seis anos. 

Isto corresponde a um crescimento de 51% no montante total do novo crédito à habitação concedido no acumulado do ano e o dinheiro emprestado até setembro já supera aliás todo o montante concedido no ano passado (4.013 milhões de euros). 

Seria necessário recuar até ao mesmo período de 2010, para assistir a níveis de concessão mais elevados. Nessa altura, os bancos disponibilizaram 7.805 milhões de euros em novos empréstimos para a compra de casa. 

Os dados do Banco de Portugal fazem refletir já os 512 milhões de euros concedidos em novos empréstimos para a casa durante o mês de setembro. Depois de dois meses de quebra do novo montante concedido, com o fim das férias os bancos voltaram a emprestar mais dinheiro. Só em junho tinha sido concedido mais dinheiro para este fim (587 milhões de euros). 

Face aos 477 milhões concedidos em agosto, os dados de setembro parecem indicar um crescimento pouco expressivo, mas na comparação homóloga regista-se uma significativa subida de 36% face aos 376 milhões registados em setembro de 2015. 

Veja Também