Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
Voltar \ Imobiliário português teve a segunda maior subida europeia no terceiro trimestre de 2017

Imobiliário português teve a segunda maior subida europeia no terceiro trimestre de 2017

08 fev 2018
Imobiliário português teve a segunda maior subida europeia no terceiro trimestre de 2017
Geral, Imobiliário
O mercado imobiliário português registou no terceiro trimestre de 2017 a segunda maior subida homóloga entre os vários países europeus, tendo crescido 10%. Melhor só mesmo a Irlanda, que registou um aumento de 12% face ao terceiro trimestre de 2016. Em causa estão dados que constam na newsletter semanal da agência de notação financeira DBRS, intitulada “Illustrative Insights”. Segundo a Lusa, que cita o documento, a maioria dos mercados imobiliários europeus têm registado uma tendência positi

O mercado imobiliário português registou no terceiro trimestre de 2017 a segunda maior subida homóloga entre os vários países europeus, tendo crescido 10%. Melhor só mesmo a Irlanda, que registou um aumento de 12% face ao terceiro trimestre de 2016.

Em causa estão dados que constam na newsletter semanal da agência de notação financeira DBRS, intitulada “Illustrative Insights”. Segundo a Lusa, que cita o documento, a maioria dos mercados imobiliários europeus têm registado uma tendência positiva, apresentando uma “forte recuperação após o colapso dramático dos últimos dez anos”. Destacam-se, no entanto, as “subidas notáveis” na Irlanda (12%), Portugal (10%), Holanda (10%) e Espanha (7%).

Já na Suécia e na Noruega o mercado imobiliário registou um abrandamento, após o “forte crescimento” que tinha apresentado nos trimestres anteriores. A Itália foi, de resto, o único país europeu onde o setor continua em declínio (menos 1%).

No Reino Unido, a DBRS aponta os desafios que se começam a apresentar ao setor imobiliário numa altura “em que ainda não se sente em pleno o impacto do ‘brexit’ [saída da União Europeia]” e num momento em que a capital, Londres, “revela os primeiros sinais de abrandamento”, escreve a Lusa.

Veja Também